ANÁLISE DA 7ª AGE EM SÃO PAULO


jesiel padilha

No dia 25 de janeiro tivemos 3.150 ministros inscritos marcando presença na 7ª AGE da CGADB para reforma de Estatuto. Ocorre que mais de 4.600 estavam inscritos dos quais 1.450 não compareceram a Rua Dr Fomm, 140 nova sede do Belém. O culto de abertura foi muito espiritual abrilhantado pela orquestra e conjuntos musicais do Belém, bem como a mensagem do Pastor José Roberto de Abreu e Lima. O templo que está perto de ser inaugurado tem capacidade para seis mil pessoas e será um dos templos mais lindos da história das Assembleias de Deus no Brasil.
A comissão de reforma tinha plena convicção de que aprovaria a chapa fechada, com exceção de dois membros que tiveram voto vencidos. Ao iniciar a sessão  e pedido de verificação de quorum o Pastor Samuel Câmara   reverberava que tinha 1.300 pastores presentes ligados a ele e contra o voto sim na chapa fechada. Para aprovar a chapa fechada era necessário 2.100 votos dos presentes, o que em tese o belém não tinha. Os membros da comissão jurídica ao perceberem que não passava pediram arrego e aceitaram o consenso de abrir mão da chapa fechada. Samuel Câmara, porém fazia questão que tudo fosse para votação com o fim de transparecer derrota para o Belém.
Os blogueiros da Assembleia de Deus levaram o tema da chapa fechada a baila cinco dias antes da AGE. Teve blog com mais de cinco mil acessos na discussão do que era realmente a chapa fechada, já que que em São Paulo era pedido o voto sim para chapa fechada, sem explicar pormenorizadamente o que era a chapa fechada. O Ministério de Belo Horizonte apoia o candidato Pastor Duéliton, porém contra a chapa fechada em razão de disputas regionais. Bahia na sua maioria apoia o candidato Duéliton, porém, contra chapa fechada em razão de disputas internas. Roraima contra chapa fechada. Ceará na sua maioria apoia Duéliton, mas contra chapa fechada em razão de disputas estaduais. Ceader apoia Duéliton para Presidente na eleição do ano que vem, mas orientou os convencionais a votar pelo não na chapa fechada. COMADESP idem. Mesmo que  Samuel Câmara não conseguisse a presença dos 1.300. A chapa fechada fracassaria já que a metade dos pastores de São Paulo votaria contra. Centenas de pastores me diziam em plenário: li sua publicação e penso a mesma coisa.
O Belém apesar de não ter conseguido o intento, não deve se lamentar. A chapa aberta beneficia muito mais o Pastor Duéliton do que o Samuel Câmara em razão de conflitos regionais de apoiantes.
Agora o voto na internet me assustou. A maioria dos antigos não sabem lidar com internet. Chamarão os netos para votar. Como dizia meu avô: com moleque nem o Diabo pode. O voto pela internet é um procedimento seguro, porém seu resultado pode ser desastroso.
Continuo afirmando que se a eleição fosse hoje, o Pastor Duéliton se elegeria. Se o quadro não mudar e os dois candidatos continuarem trabalhando o Duéliton ainda tem mais chance. Exceto algum acidente de percurso.
Os gastos da eleição vão diminuir, mas nem tanto, pois muitos presidentes dirão: tem que pagar a anuidade atrasada e a inscrição dos meus pastores que querem votar. A preocupação agora será por anuidade em dia e mobilizar cada presidente regional com a pergunta: quantos pastores você vai inscrever para votar em mim. Se deixar para última hora como temos visto já era.
Pr. Jesiel Padilha
Pedagogo, teólogo e líder da AD Santos
Anúncios

Uma resposta em “ANÁLISE DA 7ª AGE EM SÃO PAULO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s